ee           cao            ur            cmr          cfp            sad            cep

Exercises And Techniques For Children

O QUE É A PSICOMOTRICIDADE?
A psicomotricidade é uma ciência e técnica de intervenção ainda desconhecida e fracamente esclarecida para a maior parte da população. É contudo, uma terapia interessantíssima e altamente eficaz no tratamento de um elevado nº de problemas de desenvolvimento das crianças e jovens, pelo facto de utilizar como meio preferencial de intervenção, o movimento ou atividades motoras, realizadas em espaços amplos tão bem aceites à generalidade dos mais novos.

A psicomotricidade permite que através do próprio corpo dos movimentos que com ele conseguimos realizar, as crianças tenham acesso mais rápido e gratificante ao conhecimento. Num ambiente “descontraído” (ex.: ginásio) mas sério nas suas intenções, retira-se a criança do ambiente focalizado na secretária e cadeira, que remete a ideia de sala de aula e que muitas vezes está associado à perceção de “mais do mesmo”.

Sabemos que desde a fase mais precoce do desenvolvimento humano, o bebé aprende através do movimento. É pela deslocação do corpo no espaço e através das interações com os outros que o bebé se desenvolve física, intelectualmente, emocional e socialmente. O movimento é por isso o início e a base de tudo. É a base do crescimento enquanto seres humanos, capazes de executar intencionalmente umação, ter pensamento abstrato, ter acesso ao desenvolvimento da linguagem (exclusiva do ser humano) e de se desenvolver no seio de todos os elementos que constituem o meio social em que deverá estar envolvido, integrado e com o qual aprende a aprender.

A QUEM SE DESTINA A PSICOMOTRICIDADE?

A reabilitação psicomotora como área de conhecimento transdisciplinar que é pode desenvolver-se nos seguintes âmbitos:
EDUCATIVO – Estimulação do desenvolvimento psicomotor e do potencial de aprendizagem.
REEDUCATIVO OU TERAPÊUTICO – Intervenção nos problemas de desenvolvimento de competências funcionais e de aprendizagem de bebés, crianças e adolescentes com perturbações de desenvolvimento ou deficiência. Das duas competências destacam-se a avaliação, a prescrição e a intervenção nas seguintes áreas:
- Psicomotricidade – intervenção precoce, reeducação e terapia psicomotora;
- Acessibilidade/autonomia social – Programas de competências cognitivas e adaptação dos contextos;

Muitas vezes desvalorizam-se os problemas de coordenação e controlo do movimento que as crianças apresentam. Os atrasos motores estão frequentemente associados a prejuízos de ordem psicológica e social, a baixa autoestima, isolamento, hiperatividade, entre outros, o que dificultam a socialização das crianças e o seu desempenho escolar.

É frequente em crianças com deficits de atenção, dificuldades de aprendizagem, hiperatividade, problemas de fala ou escrita e problemas do desenvolvimento global, serem encaminhados para áreas de intervenção no domínio da psicologia, terapia ocupacional ou terapia da fala. Estando muitas vezes na origem daquelas dificuldades, problemas de foro de coordenação motora e controlo do movimento deve considerar-se como prioritária a intervenção no domínio da psicomotricidade. De acordo com cada caso clínico a intervenção poderá ser complementada com outras áreas atuação (trabalho com multidisciplinar) de modo a atingir o individuo na sua globalidade.

Vários estudos têm demonstrado a importância da educação psicomotora ser iniciada na escola primária. A psicomotricidade permite à criança uma tomada de consciência do seu corpo, da lateralidade, situar-se no espaço, dominar o tempo, adquirir a habilidade de coordenação os seus gestos e os movimentos, ao mesmo tempo que desenvolve a inteligência.

A educação psicomotora pode ser vista como preventiva na medida em que fornece à criança, melhores condições para se desenvolver no seu ambiente. É reeducativa pois tanto trata indivíduos que apresentam ligeiros atrasos motores, até problemas mais sérios. É de facto um forte recurso para combater a inadaptação escolar.

A relaxação compreende um conjunto de técnicas de mediação corporal, de controlo respiratório e expressão, com o objetivo primordial de auxiliar o individuo a obter uma maior consciencialização corporal. Assim sendo, a partir do melhoramento da capacidade de conhecer o corpo, o indivíduo vai ser capaz de o controlar e dominar, reduzindo comportamentos, atitudes, estereotipias e estados de tensão que lhe provocam desconforto, dor e como tal desprazer. Com a relaxação conseguimos desenvolver o autoconhecimento corporal, a capacidade expressiva e a espontaneidade, a autoestima, o autocontrolo, a concentração, a capacidade de reduzir a tensão neuromuscular, o contacto e a relação com os objetos e com os outros, assim como, de aprender a reaprender os diferentes tempos e ritmos corporais.

O QUE É A RELAXAÇÃO TERAPÊUTICA?
A relaxação compreende um conjunto de técnicas de mediação corporal, de controlo respiratório e expressão, com o objetivo primordial de auxiliar o individuo a obter uma maior consciencialização corporal. Assim sendo, a partir do melhoramento da capacidade de conhecer o corpo, o indivíduo vai ser capaz de o controlar e dominar, reduzindo comportamentos, atitudes, estereotipias e estados de tensão que lhe provocam desconforto, dor e como tal desprazer. Com a relaxação conseguimos desenvolver o autoconhecimento corporal, a capacidade expressiva e a espontaneidade, a auto-estima, o auto-controlo, a concentração, a capacidade de reduzir a tensão neuromuscular, o contacto e a relação com os objetos e com os outros, assim como, de aprender a reaprender os diferentes tempos e ritmos corporais.

A QUEM SE DESTINA A RELAXAÇÃO TERAPÊUTICA?
• A todos os escalões etários que à partida necessitem de diminuir tensões corporais;
• Perturbações da ansiedade (fobias, crises de pânico, ansiedade generalizada);
• Depressões;
• Perturbações do sono;
• Perturbações do comportamento alimentar (com alteração da imagem corporal);
• Dificuldades de aprendizagem;
• A relaxação proporciona um melhoramento do conhecimento do esquema corporal, da estruturação espaço temporal e do equilíbrio. Como tal melhora a noção de tenso/relaxado, duro/mole, proporcionando que a criança transporte essas noções para o seu próprio corpo;
• Proporciona a regulação dos ritmos orgânicos (respiração, circulação, etc.);
• Pretende atingir um estado de repouso e de calma interior, proporcionando uma integração da corporalidade.


Clínica de Medicina e Reabilitação do C.E.C.D. Mira Sintra

Visitas: 1004